terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Comprar ou não comprar casa?

Para os tesos, pessimistas e afins...

Peço desculpa, este poste vai ser longo quem não se quer aborrecer é melhor desistir já. Vão chover reclamações mas não atirem logo pedras.
Sou de opinião que é sempre possível comprar casa, desde que seja uma que se possa pagar. Ou seja, se um casal ganhar 950€ mensais não vai comprar uma casa de 100000 € (só porque o vizinho o fez, ou porque a casa é bonita ou porque sim) se calhar vai ter que comprar uma de 60 000€.

Nota: O pessoal das cidades grandes a esta altura pensa que sou maluca um sítio para viver por 60000€ impossível. Mas já pensaram que pode ser um T0? R/C? Velho mas habitável? Fora da cidade...

Este mesmo casal vai ter que criar uma poupança inicial (20%) que lhe permita dar de entrada na casa  no valor de 12000€.
Ou seja mais ou menos uma poupança mensal de 500€ durante dois anos. Parece muito? Se calhar parece, mas se não o conseguir fazer como é que pensa pagar uma casa, as despesas inerentes a ela como condomínio (se se aplicar), seguros, imposto municipal, empréstimos, manutenções e imprevistos. Se não o fizer é melhor desistir por aqui.
O lado positivo deste sacrifício inicial é que só vai pedir ao banco 48 000 € o que diminui o risco do casal diminuindo assim o spreed do empréstimo. 
Vai ter um empréstimo bem mais razoável, durante os primeiros 2 anos vai dormir num colchão no chão e ficar com a mobília da família que já ninguém quer. Elegante? Não. Glamoroso? Também não. Mas este mesmo casal durante este dois anos vai poder dormir descansado e ir mudando as coisas à medida das suas possibilidades.
Fiz uma simulação para um crédito habitação de 48000€ a pagar em 40 anos (na cgd não porque goste mais deste banco mas porque conheço melhor a plataforma) sem fiadores em 10/11.
E fiquei CHOCADA 5.2% de spreed e 1.776% de euribor a 6 meses, 316 € de prestação (com seguros incluídos) . Quase que engoli as minhas próprias palavras. 

Ora bem um pouco de educação financeira:

 A Euribor é uma taxa elaborada com base na média de juros cobrada pelos bancos na Zona Euro entre si para se financiarem. Ou seja, funciona como uma taxa interbancária. Além desta função, a Euribor é também o indexante mais recorrente no crédito à habitação em Portugal.
Por outras palavras é o que temos que pagar ao banco (quer sejas teso ou não).

O spread é a margem aplicada pelas instituições financeiras sobre uma taxa de referência (normalmente a Euribor) para obtenção de taxa de juro a considerar em determinada operação.
Por outras palavras quanto mais teso és mais tens que pagar ao banco.

Este mesmo casal vai ter que fazer muitas coisas: 
1º Decidir se quer realmente pagar ao banco durante 40 anos 316€  (pelo menos enquanto a euribor não subir (e ela pode mudar radicalmente para cima e para baixo como pude comprovar nestes últimos 7 anos)
2º Aumentar os seus recursos: um part time, fazer e vender algum tipo de artesanato (o que chamo de economia paralela) etc.
3º Enganar o Banco (façam um teste, eles vivem de aparências, podem ir com um ar desleixado e eles ficam com ar de enfado ou podem ir com a vossa melhor apresentação com um ar profissional e eles estendem-nos um tapete pelo menos até ver os nossos rendimentos)
4º Comparar o valor da mensalidade do empréstimo (juntamente com todas as outras despesas) com o valor do arrendamento na mesma zona. 
5º Decidir se quer viver miseravelmente com um rendimento disponível de 634,00€ (enquanto a euribor não subir)
6º Esperar mais um ano e poupar uns trocos.

A esta altura quem leu até aqui pode pensar a conjuntura está má, podem perder as casas se não conseguirem pagar as prestações, um dos elementos do casal pode perder o emprego ou ficar doente, com um rendimento disponível destes dificilmente se vão pagar a eles próprios primeiro (regra dos 10%)   etc. concordo com tudo isso mas as pessoas vão ter que ter sempre um sitio para viver.
Na minha humilde opinião é apenas uma questão de sonhos e decisões. Posso por exemplo decidir que me vou deslocar de bicicleta e o valor disponível para transporte ser canalizado para outra coisas.










6 comentários:

  1. Olá...eu comprei casa há 9 anos, e não me arrependo!Eramos solteiros,ganhavamos ( e ganhamos!) pouco e sabiamos que mais do que um T2 era impossivel ( pelos preços que se praticavam na altura).O sinal era o banco que adiantava.A unica coisa que eu tinha em mente era que o valor da prestação não poderia ultrapassar o valor do salario minimo que na altura era cerca de 300€,porque, em principio,esse valor eu ganharia em qualquer trabalho :).A verdade é que até à data nunca paguei mais do que 350€.É uma prestação que aguentamos perfeitamente e não nos "limita" o estilo de vida.Sou poupada ( forreta), fui mobilando a casa ao longo dos anos e não estou arrependida de nada ( por enquanto).Eu sou a favor da compra de casa, tendo em conta muitas coisas,tal e qual como tu dizes!

    Bj

    ResponderEliminar
  2. Boa tarde,
    Eu também sou a favor da compra de casa. Claro, há quem não consiga ter dinheiro para entrada, etc, etc, mas a pagar uma renda, ou ao banco ou a outra pessoa, ao menos pagamos algo que é nosso.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  3. olá amiga! tudo bem?
    vim desejar-te um excelente Natal.
    Muito obrigada pela simpática visitinha.
    bjinhos grandes e volta sempre!

    ResponderEliminar
  4. Entre comprar e arrendar tem de se ponderar várias coisas. Uma renda ao banco só uma ínfima parte é que amortiza o empréstimo. Por vezes pode ser preferível arrendar algo mais baratinho, para ir poupando e mais tarde pensar em comprar. Sabem que no Norte da Europa são raras as pessoas que de facto compram casa? Tornou-se numa cultura muito nacional.
    O teu post foi muito interessante e informativo. Dou-te os parabéns.

    Mas como estamos quase no Natal vê lá no blog a prendinha que preparei para as minhas queridas seguidoras
    http://perfect-home.blogspot.com/2011/12/giveaway-sorteio.html

    Pode ser que tenhas sorte.

    Beijinhos
    Inês

    ResponderEliminar
  5. De facto comprar casa deve ser um acto muito bem pensado. Por enquanto esse não é um dos meus projectos, mas também acho que é preferível esperar alguns anos até ter uma "reserva" . Contudo entre pagar ao banco ou pagar uma renda, tb acho preferível pagar ao banco, pelo menos pagamos para nós, tendo em atenção em não comprar acima das nossas posses claro.

    Muito bom este teu post

    Jinhos e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  6. Li o post, achei interessante, em certa parte concordo. Poupar 500€ por mês, com o país a afundar é um feito. Os ordenados mantêm-se, os dias de trabalho/ano aumentam, as horas, idem aspas. Os preços disparam... Comprar casa ou arrendar? Antigamente comprar casa era um investimento. Supostamente para deixar para os filhos, blá, blá, blá. Actualmente? Ou tens um excelente pé de meia, ou tens um excelente emprego com garantia de permanência até à reforma, ou és altamente habilitado e especializado na tua área de educação, ou corres o risco de perder a tua casa, e com isso todos os teus esforços foram em vão. Se arrendar é opção? Em início de vida sim. Pois tudo é instável. Aos 30 não tens apoio porque não és jovem, mas também não és velho, mas começas a ver as oportunidades de emprego a afunilar. Pelo menos, se perderes a casa, perdes apenas um tecto que te abrigou durante X tempo, e não a dignidade, o orgulho, os sonhos construídos.
    Por isso, de momento, a nossa opção é a do arrendamento, as poupanças são escassas pois a média de vencimento é baixinha, e a economia paralela vai dando uma ajudinha!
    Gostei do post, desculpa se me estiquei no comentário, e já estou a seguir o teu blog que adorei!
    Beijinho
    http://osdiasdanossavida.blogspot.com/

    ResponderEliminar